PGR: QUANDO ATUALIZAR?

Para responder a essa pergunta, é importante entendermos que o PGR trata-se de um programa, ou seja, de um processo contínuo, que tem começo, mas não tem fim.

Por essa característica é que, comumente, se fala que o PGR deve ser um “documento vivo” e, preferencialmente, digital, justamente para estar sempre o mais atualizado possível com a realidade.

Para além das obrigatoriedades normativas estabelecidas pela NR-01, item 1.5.4.4.6, sobre a revisão do PGR, faz-se necessário transformá-lo verdadeiramente em um instrumento de gestão, dando uso real e prático para o inventário de riscos ocupacionais e plano de ação.

É preciso quebrar o paradigma do documento vigente, para o documento diligente, não sendo mais aceitável que todas as informações permaneçam em estado de espera até que a data da sua “validade” expire. Assim, as atualizações não precisam ser todas realizadas ao mesmo tempo. Elas podem (e devem) acontecer conforme a aplicação prática do PGR.

Pensando nisso, são inúmeras as possibilidades de uso do PGR em nosso dia a dia. De forma preventiva e corretiva, podemos utilizar seus dados durante as seguintes atividades:

  • Inspeções planejadas da CIPA, Brigada de Emergências, Comitês e Grupos de Trabalho;
  • Inspeções preventivas realizadas em campo pelo SESMT;
  • Intervenções ergonômicas;
  • Liberações de trabalhos (APR, Permissão de Trabalho);
  • Diálogos de segurança com os colaboradores;
  • Análises de incidentes;
  • Avaliações de eficácia dos EPIs;
  • Caminhadas de segurança (Safety Walk, GEMBA); dentre outros.

Em todas citadas acima, é possível utilizar os dados do PGR como fonte de conhecimento, meio de checagem das informações ali contidas e, sobretudo, eficácia das medidas de prevenção adotadas, que podem gerar atualizações em tempo real. Além disso, quanto mais democrático for o uso do PGR, mais os colaboradores passarão a conhecê-lo e contribuirão de forma participativa para sua melhoria.

Sempre que utilizado de forma prática, o PGR passará de mais um documento obrigatório à efetiva ferramenta de gestão. Aproximar os dados técnicos da sua aplicação real no ambiente de trabalho é missão do SESMT.

Portanto lembre-se: o PGR não é um “documento de gaveta” e sua atualização deve ser contínua e constante.

Loredana Di Giuseppe

Mestre em Gestão Integrada Saúde do Trabalho e Meio Ambiente

Especialista em Planejamento Estratégico | Técnica em Segurança do Trabalho

Contatos:

loredana.giuseppe@gmail.com

www.linkedin.com/in/loredana-di-giuseppe-segurança-do-trabalho

Os artigos reproduzidos neste blog refletem única e exclusivamente a opinião e análise de seus autores. Não se trata de conteúdo produzido pela RSData, não representando, desta forma, a opinião legal da empresa.

Categoria

Últimas Postagens

Siga a RSData

Inscreva-se em nossa Newsletter: