Quais são os 08 principais desafios de SST no eSocial

A Segurança e Saúde do Trabalho (SST) cada vez mais está sendo um importante assunto dentro das empresas com a implantação do eSocial, um sistema que visa unificar e simplificar as obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas das empresas.

No entanto, junto com esta vitrine, também vem os desafios, e enfrenta-los pode se tornar uma tarefa complexa para os profissionais de SST. Neste texto,  nosso convidade Wesley Silva abordará os oito principais desafios de SST no eSocial, destacando a importância de compreender a legislação previdenciária, possuir um sistema eficiente, manter um LTCAT atualizado, garantir a constante atualização dos dados, estabelecer um controle eficaz dos agentes nocivos, acompanhar as mudanças nas normas e layouts do eSocial, não perder os prazos dos eventos de SST e dos exames médicos. Através desse conhecimento e da adoção de medidas adequadas, as empresas podem superar esses desafios e promover um ambiente de trabalho seguro e saudável para seus colaboradores. Boa leitura!

Conheça os 08 principais desafios de SST no eSocial

Em 2022, a Portaria MTP nº 1.010/2021 prorrogou a data de substituição do PPP (Perfil Profissiográfico Previdenciário) papel pelo PPP eletrônico para janeiro de 2023. E são os eventos de Segurança do Trabalho enviados ao eSocial, que irão compor o PPP. Neste artigo irei elencar os 8 desafios que a SST enfrentará. Vamos a eles?

1º – Compreender a legislação previdenciária

Os eventos de SST no eSocial tem como foco o atendimento a legislação previdenciária, principalmente no que se refere ao direito a aposentadoria especial. Sua principal base legal é o decreto 3048/99.

2º – Possuir um bom sistema

Tão importante quanto ter um sistema para envio dos eventos de SST é ter um sistema que ajude na gestão destes dados. Um sistema precisa ser de fácil utilização e que reduza a chance de erros no envio.

3º – Possuir um LTCAT atualizado

Muitas empresas possuem um LTCAT. Porém, em muitos casos estão desatualizados ou não atendem a legislação em vigor. Atualmente a elaboração de um LTCAT precisa observar a IN 128.

4º- Atualização constante de dados

Você precisa estar atento às mudanças que ocorrem no ambiente de trabalho e na gestão da operação. Ex.: Um trabalhador em março teve seu setor de trabalho alterado e agora estará operando empilhadeira.

Foi realizado uma avaliação de vibração e essa informação foi inserida no eSocial?

5º- Controle eficaz dos agentes nocivos

Ao informar através do eSocial que o trabalhador estará exposto ao um agente nocivo, a organização precisa estabelecer ações para gestão destes agentes. Podendo ser medidas de ordem coletivas, administrativas e individuais. 

6º- Atualização constantes de normas e layouts do eSocial

Neste caso, você precisa estar atento às mudanças em normas, regras do eSocial. O eSocial não é estático e passará por diversas alterações.

7º- Não perder os prazos dos eventos de SST no eSocial

É até o dia 15 do mês subsequente ao da admissão do trabalhador ou de alterações da informação inicial deve ser enviado as informações dos eventos S-2220 e S-2240. Já o evento S-2210 precisa ser enviado em até 24 horas após o acidente ou de forma imediata em casa de óbito.

8º- Não perder os prazos de exames médicos

A NR 07 descreve em seu texto os prazos para exames admissionais, mudança de riscos, retorno ao trabalho e demissional. A realização dos exames e ASO fora dos prazos previstos, poderá levar a multas conforme texto legal.

Os artigos reproduzidos neste blog refletem única e exclusivamente a opinião e análise de seus autores. Não se trata de conteúdo produzido pela RSData, não representando, desta forma, a opinião legal da empresa.

Categoria

Últimas Postagens

Siga a RSData

Inscreva-se em nossa Newsletter:

Pular para o conteúdo