PGR: Gerenciamento de Riscos: O que é? Desafios e aplicação

Na última semana realizamos uma série de 3 Aulas sobre o Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR) e o Gerenciamento de Riscos Ocupacionais (GRO). Foi um evento com muita discussão, reflexões e análise de diversos pontos da norma. O objetivo do evento foi trazer uma introdução ao processo de gerenciamento de riscos, apresentar uma estrutura básica do PGR e a importância do processo de avaliação de riscos para a tomada de decisão dentro do GRO. Veja quais foram os principais temas e um resumo do que foi abordado em cada aula:

AULA 1 – Introdução ao Gerenciamento de Riscos: O que é? Desafios e aplicação.

Neste primeiro dia falamos sobre o que é Gerenciamento de Riscos, quais as normas relativas ao PGR, quais os programas fazem parte do PGR, etapas do Gerenciamento de Riscos e impactos na Gestão de SST.

Definimos que o gerenciamento de riscos é um processo sistêmico de identificar, mensurar, avaliar, monitorar, reportar, controlar e mitigar incertezas, através do uso eficaz dos recursos disponíveis, com o objetivo de eliminar ou reduzir a probabilidade da ocorrência e/ou impactos do risco. Gerando oportunidades ou ganho para a corporação.

Devendo possuir 6 elementos 6 elementos básicos em sua estrutura:

1️⃣ Diretrizes, objetivos e estratégia da gestão de riscos;

2️⃣ Identificação, mensuração e análise dos riscos;

3️⃣ Classificação de Riscos;

4️⃣ Infraestrutura, políticas e processos de gestão de riscos;

5️⃣ Monitoramento e gestão eficaz dos riscos;

6️⃣ Comunicação dos riscos.

Esses seis elementos são necessários para sustentar um sistema de gestão de riscos eficaz dentro de uma organização.

Devido à diversidade dos setores, mercados e sistemas empresariais, essa estrutura deve ser personalizada para cada organização.

Lembramos que a organização deve implementar, por estabelecimento, o gerenciamento de riscos ocupacionais em suas atividades (GRO).

E que o gerenciamento de riscos ocupacionais deve constituir um Programa de Gerenciamento de Riscos – PGR, sendo composto no mínimo de Inventário de Riscos e Plano de Ação>

AULA 2: Processo de Avaliação de Riscos para a tomada de decisão: Entendendo a probabilidade e a severidade.

No segundo dia o evento foi mais direcionado ao processo de avaliação de riscos e o entendimento deste item para uma tomada de decisão dentro de uma estrutura de Gestão de Riscos Ocupacionais.

O que é  Avaliação de Riscos?

Avaliação de Riscos – os riscos são analisados, considerando-se a sua probabilidade e o impacto como base para determinar o modo pelo qual deverão ser administrados. Esses riscos são avaliados quanto à sua condição de inerentes e residuais. (COSO 2007)

Avaliação de Riscos a organização deverá comparar o nível de risco encontrado durante o processo de análise com os critérios de risco estabelecidos quando o contexto foi considerado.

Segundo a ISO 45001 A metodologia e os critérios da organização para a avaliação dos riscos de SSO devem ser estabelecidos em relação ao seu escopo, natureza e cronograma, para assegurar que eles sejam proativos ao invés de reativos e sejam utilizados de forma sistemática. Informação documentada deve ser mantida e retida

Neste processo de avaliação de Riscos precisamos entender qual a probabilidade da ocorrência de um determinado evento e a severidade caso ocorro. Deste modo nesta aula tentamos trazer definições e exemplos claros sobre o tema. Como os riscos associados a operação de PEMT- Plataforma elevatória móvel de trabalho.

É importante destacar que o sucesso de um Gerenciamento de Risco Ocupacionais dependerá diretamente do processo de avaliação de risco.

AULA 3 – Programa de Gerenciamento de Riscos: Elaboração do Inventário de Riscos e a Construção de um Plano de ação

Começamos esta aula discutindo dois definições importantes e sua aplicação dentro do GRO e nas Normas Regulamentadoras. A diferença de empregado e trabalhador.

Será que um sistema de gerenciamento está direcionado somente aos empregados ou aos trabalhadores?

Outros pontos que forma abordados neste dia:

  • Estrutura do Inventário de risco. O que deve conter?
  • Plano de ação com base em prioridades;
  • Modelo das 5 práticas aplicáveis ao gerenciamento de riscos. 

Segundo a NR-01, os dados da identificação dos perigos e das avaliações dos riscos ocupacionais devem ser consolidados em um inventário de riscos ocupacionais que devem conter desde a caracterização dos processos e ambientes de trabalho até os critérios adotados para avaliação dos riscos e tomada de decisão.

Ao final do evento discutimos mais sobre o Modelo das 5 Práticas Aplicáveis a estruturação do plano de ações para o Gerenciamento de Riscos.

Se você perdeu o evento! Acesse o Link e confira!

Baixe o material das aulas:

WESLEY SILVA

• Diretor da Innove Consultoria e Treinamentos;
• Engenheiro de Segurança do Trabalho;
• Pós-graduado em Ergonomia, Direito Trabalhista e Previdenciário;
• MBA em Liderança, Gestão e Inovação;
• Consultor em Segurança do Trabalho em empresasdo ramo de siderurgia, mineração e telecomunicações;
• Especialista na Gestão de SST com mais de 13 anos de experiência;
• Capacitado em Gestão de Riscos pela University of Chicago

Os artigos reproduzidos neste blog refletem única e exclusivamente a opinião e análise de seus autores. Não se trata de conteúdo produzido pela RSData, não representando, desta forma, a opinião legal da empresa.

Categoria

Últimas Postagens

Siga a RSData

Inscreva-se em nossa Newsletter: