O que é o método do Diagrama de Ishikawa?

NR 4

Qual é a origem do Diagrama de Ishikawa?

O Diagrama de Ishikawa foi pensado pelo engenheiro químico japonês Kaoru Ishikawa, em 1943, com o objetivo de criar um método simples e padronizado que ajudasse a resolver problemas de produtividade em organizações.

A ideia do criador era estabelecer um modelo que pudesse ser utilizado por todos, desde operários a diretores. Mas foi só anos mais tarde que a ferramenta ganhou seu nome – O Diagrama de Ishikawa.

O que é o Diagrama de Ishikawa?

Um diagrama se caracteriza pela representação de um objeto por meio das suas linhas de contorno. Um delineamento ou esboço de algo que precisamos dar visibilidade. Uma demonstração geométrica por meio de linhas

 Então, o Diagrama de Ishikawa, também conhecido como Diagrama Espinha de Peixe, é uma ferramenta que ajuda as pessoas a identificar possíveis causas para problemas.

Por exemplo, no processo de análise e investigação de acidentes do trabalho, é ferramenta consolidada para descobrir a causa principal e demais causas contributivas para o evento danoso (acidente).

Em linhas gerais, ele serve para analisar os processos, em diferentes perspectivas, relacionando causas potenciais para um determinado cenário.

Ou seja, o método serve para que a gente encontre causas para problemas, mas também nos ajuda a encontrar causas para bons resultados – tudo pela análise e melhoria  do processo.

Mas como isso ocorre? Qual é o método do Diagrama de Ishikawa?

Diagrama de Ishikawa é constituído de 6 (seis) tópicos que, quando analisados, tendem a alocar a maior parte das causas de problemas nas Organizações.

Esses 6 tópicos, conhecidos como os 6M do Diagrama Espinha de Peixe, são itens relacionados a processos dentro das organizações.

Dessa forma, sempre que vamos utilizar essa ferramenta, nós analisamos cada um dos 6Ms para definir causas.

Os 6Ms são:

  • *Método           *Máquina         * Medida           * Meio Ambiente         * Material      * Mão de Obra

Confuso? Não se preocupe que vamos explicar como cada item é analisado.

Primeiro, é preciso entender como é a representação do diagrama. Veja a seguir:

Sim, não é à toa que o Diagrama de Ishikawa também é conhecido como Espinha de Peixe. Ao representar o modelo contemplando as 6 áreas de análise de causas, temos a imagem do esqueleto de um peixe fielmente representada.

Nesse esqueleto, cada um dos Ms está relacionado a um mesmo efeito, único, e que está sob análise da equipe. Por isso, lembre-se: o Diagrama deve ser utilizado para analisar um único efeito, claro e bem definido, e que pode ter raízes em várias causas.

A distribuição de cada “M” dessa maneira facilita a discussão de cada um deles de forma separada. Entenda o significado dos “Ms”:

1. Método

Ao analisar método, a equipe precisa elencar todas as causas em potencial que se relacionam com a forma de trabalho. Desta forma, apurar quais as técnicas que estão sendo utilizadas pela equipe? Quais as regras estipuladas para realizar os processos? Como determinado profissional conduz sua etapa no processo?

Todas as causas relacionadas à forma que os processos são conduzidos devem constar neste momento da discussão, uma espécie de “brainstorming”.

2. Medida

Quando o assunto é medido, estamos falando da forma como nós analisamos os resultados ao fim e ao longo do processo.

Se usamos os dados incorretos, podemos estar fazendo análises incorretas. Se não dominamos as ferramentas que computam os resultados e os dados, podemos ter problemas também.

Portanto, certifique-se de questionar quais as causas relacionadas à forma como você mensuram os dados podem estar impactando seu problema ou mal resultado.

3. Máquina

Seguindo adiante na análise, é preciso dar atenção a todas as ferramentas utilizadas pela equipe durante os processos. Ou seja: temos que analisar a máquina! Estruturas, movimentos, proteções, fonte de energia, ritmos, velocidades, etc..

Aqui, questões relacionadas a consertos, a programas desatualizados e a servidores com mal funcionamento, por exemplo, devem ser consideradas.

Sempre que alguma máquina estiver atrapalhando os processos, é preciso dar atenção a ela nesta etapa da análise de causa e efeito.

4. Meio Ambiente

Já quando falamos em Meio Ambiente, a ideia é que as equipes deem atenção especial a tudo que está no entorno da processo produtivo, que orbitam a ocupação e que pode afetar o efeito/resultado analisado.

Quando há muita chuva, por exemplo, pedreiros podem atrasar obras de construção. Ou quando a economia vai mal, por outro lado, é possível que produtos supérfluos comecem a vender menos. Quando exposição a algum agente patogênico, combatentes podem tombar em massa.

Em outro ponto, o meio ambiente também pode estar relacionado às relações das pessoas dentro das empresas. Sobre isso questione-se: as pessoas se sentem confortáveis para exercer suas funções? As pessoas estão felizes ou adoecendo psicologicamente?

Tudo isso deve estar na ponta da língua ao fazermos a análise sobre meio ambiente do Diagrama de Ishikawa.

5. Material

Nessa etapa do processo, quando pensamos em material, estamos nos referindo aos insumos utilizados durante os processos e que podem ter papel importante para gerar o efeito analisado.

Se uma fábrica de móveis usa madeira ruim, por exemplo, suas mesas e armários serão de má qualidade e vão vender menos. Se os doces de uma confeitaria são feitos com chocolate de má qualidade, com certeza a empresas será menos contratada para festas.

Repare nos materiais utilizados na sua produção, no seu serviço e nos seus processos. Eles podem ser a causa do problema? Então anote no diagrama!

6. Mão de Obra

Por fim, chegamos à análise de Mão de Obra. Aqui, o objetivo é identificar causas relacionadas às habilidades das equipes, à forma como a equipe é alocada ou, em alguns casos, à falta de equipe.

Pode ser que faltem mais operários na linha de montagem de um carro, pode ser que líder mais analítico esteja tocando uma equipe de vendas e pode haver momentos em que o profissional precisa adquirir alguns conhecimentos para exercer sua função.

Em todos esses casos, a análise de mão de obra precisa ser feita e considerada dentro do Diagrama de Ishikawa.

Quando é possível utilizar o diagrama de Ishikawa?

Sempre que houver um problema nos processos de um projeto, é possível estabelecer uma discussão baseada nas regras do Diagrama Espinha de Peixe.

Assim, não é preciso atrelar o método a um processo industrial comum. É possível utilizá-lo para um projeto pessoal, para uma meta na sua empresa ou para sua turma de alunos.

Basta encontrar um problema (ou efeito) e buscar analisar cada M pensando as causas.

Como montar o Diagrama de Ishikawa?

Embora a representação do esqueleto de um peixe tenha se tornado comum, ela não é preponderante para nenhuma análise. Basta que você escreva os 6Ms e os discuta à luz da premissa de que existe apenas 1 efeito analisado e um conjunto de causas prováveis.

O importante, porém, é realizar a análise em equipe, em um brainstorming, para que todos os membros do processo tenham suas opiniões e visões consideradas. Por consenso, se toma as melhores decisões e encaminhamentos pertinentes.

Os artigos reproduzidos neste blog refletem única e exclusivamente a opinião e análise de seus autores. Não se trata de conteúdo produzido pela RSData, não representando, desta forma, a opinião legal da empresa.

Categoria

Últimas Postagens

Siga a RSData

Inscreva-se em nossa Newsletter:

Pular para o conteúdo