GRO/PGR

Gestão Personalizada e Integrada

Entre em contato conosco!

Gestão de SST com base nos preceitos da NR01 e completamente integrada a Saúde

Implemente o GRO/PGR com maior agilidade e tranquilidade. No RSData você conta com uma base nativa dos fatores de risco da NR-09 e ACGIH, já vinculados aos seus limites de tolerância, que irão compor o Inventário de Risco, e associados ao PCMSO, com integração de informações entre exames e perigos identificados de acordo com o risco medido. Somado a isto, você também contará com o Plano de Ação automatizado do ciclo PDCA, estabelecido pela matriz de risco personalizada.

Desenvolva e implemente medidas e procedimentos técnicos e administrativos para prevenir riscos, com SEGURANÇA E CONFIANÇA

GRO

O Gerenciamento de riscos ocupacionais (GRO) estabelece o controle e monitoramento dos riscos ocupacionais através de um macroprocesso, que trata da Identificação de Perigos (agentes físicos, químicos, biológicos, de acidente e fatores ergonômicos), seguido da Avaliação dos Riscos para, então, estabelecer o Controle de Riscos e a partir destes procedimentos que irão compor a documentação que definirá o Inventário de Riscos e o Plano de Ação. A sua estruturação normativa segue a abordagem do PDCA (Plan, Do, Check and Act).

PDCA NA GESTÃO DE RISCOS

  • Plan (Planejar)

Identificar os perigos e avaliar os riscos ocupacionais; estabelecer os objetivos e as atividades para obter os objetivos e metas

  • Do (Fazer)

Implementar as ações definidas no plano de ação do PGR

  • Check (Checar)

monitorar a realização e eficácia das ações previstas

  • Act (Agir)

Adequar as ações que não foram eficazes e adotar medidas de melhoria contínua

O QUE DEVE CONTER O GRO?

O Gerenciamento de riscos ocupacionais (GRO) estabelece o controle e monitoramento dos riscos ocupacionais através de um macroprocesso, que trata da Identificação de Perigos (agentes físicos, químicos, biológicos, de acidente e fatores ergonômicos), seguido da Avaliação dos Riscos para, então, estabelecer o Controle de Riscos e a partir destes procedimentos que irão compor a documentação que definirá o Inventário de Riscos e o Plano de Ação. A sua estruturação normativa segue a abordagem do PDCA (Plan, Do, Check and Act).

A organização deve implementar, por estabelecimento, o gerenciamento de riscos ocupacionais em suas atividades, e ele será utilizado para fins

  • de prevenção e gerenciamento dos riscos ocupacionais.
  • de caracterização de atividades ou operações insalubres ou perigosas, devem ser aplicadas as disposições previstas na NR-15 – Atividades e operações insalubres e NR-16 – Atividades e operações perigosas
  • Responsabilidade
  • Processo de identificação de perigos e avaliação de riscos ocupacionais
  • Controle dos riscos
  • Medidas de Prevenção
  • Planos de Ação
  • Implementação e acompanhamento das medidas de prevenção
  • Acompanhamento da saúde ocupacional dos trabalhadores
  • Análise de acidentes e doenças relacionados ao trabalho
  • Preparação para emergências
  • Documentação: O PGR deve conter, no mínimo, os seguintes documentos:
  • inventário de riscos; e
  • plano de ação.

O gerenciamento de riscos ocupacionais (GRO) deve constituir um Programa de Gerenciamento de Riscos – PGR

PGR

O Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR) é um conjunto de ações para identificação do perigo e gerenciamento dos seus riscos no local e nas atividades que os trabalhadores estão expostos. Ele é a materialização do GRO, a parte prática e diária. Ele pode ser implementado por unidade operacional, setor ou atividade, e tem como objetivo a consolidação das informações para preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores nos ambientes de trabalho, através de ações permanentes que devem ser planejadas e desenvolvidas no estabelecimento da empresa, sob a responsabilidade do empregador e com a participação dos trabalhadores, que devem ser comunicados sobre os riscos consolidados no inventário de riscos. É importante que todas as ações e comunicações sejam documentadas a fim de garantir evidência e histórico mostrando que a ação foi realizada. O PGR não é estático e nem possui uma forma definida; ele é dinâmico, composto pelo inventário de riscos, e pelas medidas de prevenção do plano de ação, que podem se alterar ao longo da gestão de acordo com a realidade da empresa.

Risco Ocupacional

O Risco Ocupacional é definido como a combinação da probabilidade de ocorrer lesão ou agravo à saúde causados por um evento perigoso, exposição a agente nocivo ou exigência da atividade de trabalho e da severidade dessa lesão ou agravo à saúde. Para se mensurar o nível do risco ocupacional é necessário fazer a AVALIAÇÃO DO RISCO OCUPACIONAL, onde se utiliza ferramentas e técnicas de avaliação apropriadas, a fim de priorizar quais devem ser tratados na adoção de medidas de controle e prevenção. A escolha do tipo de ferramenta dependerá:

  • das condições do local de trabalho
  • da complexidade dos processos,
  • do número de trabalhadores,
  • do tipo de atividades de trabalho e equipamentos,
  • das características específicas do local de trabalho
  • dos riscos específicos da organização

VOCÊ CONTARÁ COM:

Inventário de risco

O inventário de risco é onde será feita a identificação dos perigos (físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e de acidentes) que estão presentes nas atividades exercidas pelo empregado; a avaliação dos riscos ocupacionais, e medidas de controle e ações para minimização dos riscos potenciais. Ele é um documento de evidência, que documentará os perigos existentes na empresa e nas atividades laborais, avaliará os riscos existentes, irá propor medidas de prevenção, e que servirá também para inserção de outros programas de SST, como os de Higiene Ocupacional, de Ergonomia, de Gestão de Máquinas.

A avaliação de riscos ocupacionais deve ser contínua e revisada conforme determina a NR01, buscando a melhoria contínua. A organização deve avaliar os riscos ocupacionais relativos aos perigos identificados em seus estabelecimentos, de forma a manter informações para adoção de medidas de prevenção.

No Inventário de Risco da RSData, você contará com:

  • Caracterização dos ambientes de trabalho, setor, cargo, posição e GHE;
  • Caracterização das atividades: sumária e detalhada
  • Descrição dos perigos, possíveis lesões ou agravos à saúde do trabalhador, com a identificação das fontes ou circunstâncias dos riscos gerados, e indicação dos grupos de trabalhadores sujeitos aos riscos, e das medidas de controle implementadas (administrativa, coletiva e individual)
  • Nível de risco ocupacional, determinado pela combinação da severidade das possíveis lesões ou agravos à saúde com a probabilidade ou chance de sua ocorrência.
  • Dados de análise preliminar ou do monitoramento da exposição a agentes físicos, químicos e biológicos, da NR-09 e ACGIH, bem como os resultados da avaliação ergonômica, da NR-17;
  • Avaliação dos riscos, incluindo a classificação de acordo com a Matriz de Categorização personalizada por risco, para fins de elaboração do plano de ação;
  • Critérios adotados para avaliação dos riscos e tomada de decisão.

Como Implementar?

O Inventário de Risco é implementado seguindo cinco etapas como segue

  • Identificação do Perigo
  • Avaliação e Classificação dos Riscos de acordo com a probabilidade e severidade da Matriz de Categorização
  • Medidas de Prevenção com acompanhamento e monitoração
  • Verificação de Resultados das medidas de controle tomadas
  • Reavaliação dos riscos

Avaliação de riscos ocupacionais é a etapa na qual deve ser indicado o nível de risco ocupacional, utilizando-se ferramentas e técnicas de avaliação apropriadas. Esta etapa vai orientar quais riscos devem ser priorizados na adoção de medidas de prevenção. Após a avaliação, os riscos ocupacionais devem ser classificados, utilizando ferramentas de gerenciamento de risco, como a matriz de risco, para fins de identificar a necessidade de adoção de medidas de prevenção e elaboração do plano de ação.

Matriz de Categorização

A MATRIZ DE RISCO, também conhecida como Matriz de Probabilidade e Impacto, é uma ferramenta de gerenciamento de riscos que permite avaliar de forma visual, através de gráficos coloridos, a severidade e a probabilidade de ocorrência dos possíveis acidentes, lesões ou agravos à saúde, indicando o nível de risco, e desta forma priorizar quais que devem ser tratados primeiro. Ela tem como objetivo identificar quais são os riscos que devem receber mais atenção, apontando a probabilidade de ocorrências de acidentes, doenças e agravos à saúde, de forma a priorizar as ações a serem realizadas no plano de ação para minimização destes riscos decorrentes do perigo. Ou seja, para cada perigo deve ser indicado o nível de risco ocupacional, encontrado através da combinação de um peso atribuído a severidade das possíveis acidentes, lesões ou agravos à saúde com a probabilidade ou chance de sua ocorrência. É importante ressaltar que a gradação da severidade das lesões ou agravos à saúde deve levar em conta a magnitude da consequência de ocorrência de acidentes e o número de trabalhadores possivelmente afetados.

Ela deverá ser elaborada de acordo com o perigo e por uma equipe de profissionais habilitados, engenheiro, médico, equipe técnica e do SESMT que conheçam os processos envolvidos. A mais utilizadas na área de SST é a AIHA, mas devido a particularidades do perigo em questão é aconselhado que se escolha matrizes que melhor o representem. No RSData, os campos são livres permitindo que as matrizes possam ser desenhadas com diferentes linhas e colunas, de acordo com a complexidade requerida.

Como Implementar?

Primeiro deve ser conhecido o perigo e os processos para escolher a melhor matriz que o represente. Logo em seguida ela deve ser traçada de acordo com a severidade e a probabilidade de ocorrência. A equipe de segurança do trabalho (médico, engenheiro, técnicos) devem analisar os riscos relacionados ao perigo vinculando a matriz, priorizando quais riscos devem ser tratados primeiro e estabelecendo medidas de controle e ações para o minimizar, aplicando a metodologia do PDCA. É importante que seja documentado e que ocorra monitoramento das ações traçadas.

Plano de Ação

O plano de ação será realizado de acordo com o levantamento dos riscos encontrados e seguirá a priorização dada pela matriz de risco. Ele indicará as medidas de prevenção a serem adotadas, aprimoradas ou mantidas, onde será definido um cronograma, formas de acompanhamento e aferição de resultados de forma a gerenciar os riscos e evidenciar a eficácia das ações tomadas.

O plano de ação está vinculado a matriz de risco e conforme for classificado o risco do perigo em questão, o cronograma será traçado automaticamente de acordo com a severidade e a probabilidade de sua ocorrência.