As 5 maiores dúvidas sobre PGR

O Programa de Gerenciamento de Riscos visa prevenir os acidentes laborais. Para explicar melhor como ele é estruturado, vamos responder às 5 maiores dúvidas sobre PGR, como seu conceito, sua relação com o PPRA, classificação de risco e revisão. Essas são algumas das perguntas que solucionaremos hoje.

Se você tiver mais dúvidas sobre o Programa, acesse o nosso blog e fique por dentro de todos os temas referentes à SST e suas peculiaridades.

 

O que é o PGR?

É um programa que visa identificar, mensurar e sugerir medidas para prevenir acidentes ambientais que possam representar riscos à integridade física dos trabalhadores, à segurança da população e à segurança do meio ambiente. O mesmo deve contemplar um plano de ação bem elaborado para que eventuais impactos sejam minimizados ou eliminados.

 

Qual a diferença entre PGR e PPRA?

Para que todos entendam de forma clara e objetiva, precisamos explicar que o PPRA agora é GRO – e esse, por sua vez, faz parte do PGR. Isso quer dizer também que, além de considerar os riscos físicos, químicos e biológicos, também será necessário ponderar os riscos ergonômicos e mecânicos. Sendo assim, riscos como levantamento manual de cargas, explosões, incêndios e outros precisam ser identificados.

 

É obrigatório possuir uma classificação de riscos para o PGR?

Sim! Para fazer essa classificação deverá ser considerado a probabilidade e a severidade do dano. Dessa forma, a classificação de riscos ficará em baixo, médio, alto ou até catastrófico, o que dependerá da metodologia utilizada pela empresa.

Como funciona o processo de revisão do PGR?

A revisão do PGR deverá ser feita a cada dois anos. Nos casos de organizações com um sistema de gestão, esse tempo passa a ser de três anos.

 

GRO e PGR: como fazer uma gestão de mudanças?

O primeiro passo é olhar além, ou seja, não somente nas medidas de controle dos riscos. Com isso, é importante identificar também as consequências de uma eventual falha nessas medidas. Algumas iniciativas são importantes para que uma gestão de mudanças seja implementada.

Uma delas é compreender que não são mais aceitos erros como falta de monitoramento, falha na manutenção, cálculos malfeitos, fatores ambientais ou falhas humanas. Sendo assim, você precisa de um conjunto de ações e recursos estabelecidos dentro de uma estrutura de planejamento, com o objetivo de reduzir os impactos produzidos para uma emergência não evitada, porém prevista.

 

Prevenir também é se preparar para a emergência

Levar em considerações todos os fatores que abordamos acima é uma forma inteligente de prevenção. Isso faz com que você não seja pego despreparado, reduzindo as consequências para sua organização e, claro, para os seus colaboradores.

Categoria

Últimas Postagens

Siga a RSData

Inscreva-se em nossa Newsletter:

Pular para o conteúdo